Má gestão doméstica pode prejudicar o relacionamento?

Sim, má gestão doméstica pode causar muita discussão e estresse no relacionamento. E vou te contar porque tenho esta opinião.

Quando me casei, há 18 anos, uma amiga me disse a seguinte frase, que na ocasião me fez considerá-la muito menos leal do que consideraria hoje: “Eba! Entrou para o mundo das donas de casa! Parabéns”. De minha parte, fiquei muda. Mas me lembro perfeitamente de ter ficado irritada, chateada e até indignada. Dona de casa, eu?

Na minha ingênua concepção de vida doméstica pós casa dos pais, uma profissional ligada no trabalho ao menos 14 horas por dia, sem filhos e com um marido que na época pouco via (pois os dois trabalhavam demais), a ideia de ser considerada dona de casa era basicamente inconcebível. Do alto da minha falta de informação, eu acreditada que ser dona de casa significava tão-simplesmente deixar toda minha vida profissional para trás e me dedicar exclusivamente ao lar, como se 1) não existisse a possibilidade de ser ao mesmo tempo profissional bem sucedida e dona de casa bem resolvida e 1) houvesse algum demérito para as mulheres que tomam a decisão de se dedicar à casa em tempo integral.

No entanto, fui descobrindo na prática, e com bastante dificuldade, que eu realmente sabia bem pouco sobre as rotinas domésticas. “Descobri”, por exemplo, que as compras da casa dependiam ou de uma lista de compras ou da minha ida ao supermercado. Também me dei conta de que o dia de trocar a roupa de cama ou faxinar a sala dependeria do planejamento das rotinas da funcionária, o qual eu deveria fazer. Simples assim, certo?

O fato é que aos poucos fui me dando conta de que eu seria como praticamente todas as outras mulheres e homens que se casam, moram sozinhos ou dividem casa com seus companheiros e companheiras: donos de casa (mesmo que em tempo parcial). Apesar de qualquer denominação profissional, esse seria um novo papel que eu – e meu marido – teríamos de desempenhar.

Confesso que o começo deste processo foi bastante desgastante para mim e meu marido. Os dois haviam vindo de casas em que praticamente não havia nenhuma responsabilidade sobre a gestão. Ou seja, nem eu nem ele – cada um por conta da configuração doméstica que tínhamos na casa dos nossos pais -, conhecíamos o suficiente sobre gerenciamento doméstico.

O resultado foi que nosso primeiro semestre juntos poderia ter tido muito menos brigas ocasionadas por roupas queimadas a ferro ou mal passadas, por exemplo. Só conseguimos brigar menos e curtir mais a casa quando começamos a nos organizar com as tarefas domésticas. E entre as minhas descobertas da vida doméstica, houve esta aqui, bem simples: eu estava gastando mais tempo em discussões sobre o problema do que resolvendo o nosso problema! Somente quando decidi investir uma parte do meu tempo para gerenciar melhor a casa em que morava é que consegui ter menos estresse doméstico.

Passados 18 anos, hoje vejo na casa das minhas clientes de Gestão Residencial exatamente os mesmos problemas causados pela falta de gerenciamento eficiente: discussões com marido e funcionárias, estresse e até falta de vontade de voltar casa, para não ter de encarar os problemas domésticos. Pode parecer que não, mas a gestão deficiente da casa impacta muito na produtividade da mulher e no relacionamento do casal. Quem já teve uma discussão sobre uma camisa mal passada, vidros manchados ou sobre um jantar com comida sem tempero sabe do que estou falando.

Para ajudar você a também se descobrir uma excelente dona de casa (seja em tempo integral, seja parcial), ter menos brigas domésticas e curtir mais sua casa, desenvolvi o Curso de Gestão e Administração Doméstica Vem comigo aprender técnicas de gerenciamento doméstico que realmente funcionam na vida da mulher moderna.

Instagram @ingridlisboa.homeorganizer